segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Sem título 2

Não gosto de chuva.
Adoro o trabalho do Eduardo Recife (www.eduardorecife.com)!

domingo, 23 de setembro de 2007

A cor do deserto

Demorei muito pra assistir ao filme Camelos Também Choram (2003), que ficou um tempão em cartaz nos cinemas já não lembro mais se no ano passado ou no anterior... Acho que todo mundo que tem um gosto cinematográfico em que confio me falou:"Vai ver! Não perca!"
Eu, por causa daquela preguiça que às vzs dá (tem hora que parece que eu não quero ver nada, ler sobre nada, quero ficar escutando o barulho da água e só!), enrolei tanto até que o filme saiu de cartaz... Neste final de semana finalmente alugamos o DVD. O filme (documentário) me deu uma alegria porque é uma história simples e cheia de cor. No deserto de Gobi (Mongólia), uma família de nômades que cria camelos faz de tudo para o camelo albino rejeitado pela mãe ser aceito por ela. Parece ficção mas não é! Camelos foi patrocinado pela National Geographic e a idéia original dos diretores Byambasuren Davaa e Luigi Falorni era mostrar a vida de pessoas que vivem naquele deserto. A história do camelinho (lindo e fofo!!) aconteceu por acaso e acabou virando o foco do filme. Essa família (que é de verdade e vive daquele jeito mesmo) é uma das coisas mais singelas que já vi! Gostei do jeito que eles lidam com as dificuldades, com a natureza (de um modo sereno, sem drama) e das roupas que usam: é tudo muito colorido (talvez pra fugir da cor do deserto) e as misturas que fazem são ótimas (laranja com azul anil, por exemplo). Deu vontade de usar lenço xadrez na cabeça e de morar num lugar assim, simples, sem precisar sair todo dia pra ganhar dinheiro.

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Inspiração

Depois que fiz um curso sobre Japonismo na Fundação Japão (SP) (acho que foi em maio deste ano...), fiquei com mania de procurar o jeito japonês de embelezar o mundo em tudo que é canto. Eu já gostava da estamparia japa, mas não tinha nenhum conhecimento histórico. O professor (esqueci o nome dele... É da Unicamp, dá uma aula ótima e parece o Mr. Magoo) mostrou muitas estampas do artista japonês Hokusai e passou por todos os impressionistas que sofreram influência direta do Japonismo na sua obra. Fiquei mais apaixonada ainda e quando o João me mostrou a nova coleção da Sommer, que tem direção de estilo da Thais Losso, não acreditei! É Japonismo total!!! Quero todos os vestidos!! E os sapatos também! E quero este arranjo floral que está na cabeça da Björk... E agora?
Vou ter que passear na Liberdade. Eba!

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

O início

Nossa!! Que medo! Quando a Rita Wainer no workshop Novas Marcas de Moda propôs de a gente criar cada um o seu blog eu inventei um monte de desculpa pra mim mesma, por exemplo, "sou tosca pra essas coisas tecnológicas, não vou conseguir mexer com isso, então vou fingir que não tive tempo, e bla..." Mas criar um blog é a coisa mais fácil! E agora?
Agora estou aqui, me expondo, um pouco com a sensação de não ter nada pra dizer, e conseqüentemente, nada pra criar. Fico pensando também que esta mania de blog é uma bobagem, que as pessoas acham que têm coisas muito relevantes pra dizer, e ninguém tem... Muito menos eu... Mas aí descubro que tenho uma coisa simples na cabeça: vontade de mudar!! De profissão!!!Não sei desenhar (acho a coisa mais linda do mundo saber desenhar)! Amo fazer colagens. Então, aí vai: sempreterfloresemcasaverDVDcommeumaridoTruffautcachorrogatogrupocena11dedançapintarasunhasdevermelhodocesempreDavidBowietomarcafédamanhãnãoterqueacordarcedofazeriogaAudreyHepburn.
O João (meu marido) me deu de presente uma boneca de pano que é a Audrey Hepburn em "Bonequinha de Luxo". Ainda não tirei uma foto dela sentada na nossa cadeira de trabalho lá em casa (e sou tosca com tecnologia, não sei se vou conseguir passar a foto do celular pra cá...). Enfim, queria inaugurar o blog com ela (a minha Audrey de pano), mas vou começar com uma imagem da própria, a mais elegante de todas!! Eu amo a atitude dela e o jeito que maquiava os olhos.